terça-feira, 10 de maio de 2011

dois meses ♥

e tu, tu melhor que ninguém sabes que presença é. Uma presença constante, que não distingue os dias das noites, que não marca hora nem local, que não pensa nas consequências, que não disfarça sequer.
Fecho os olhos, e vejo-te. Abro os olhos, e no meio da imensa escuridão, vejo o brilho dos teus, vejo a minha imagem neles, e vejo o reflexo do amor.
Sabes, meu pedaço de amor? Eu sinto que me amas, sinto mesmo e sei que quando o dizes não te esforças para ser querido, não o dizes para eu gostar, nem sequer para mostrar aos outros que somos muito felizes, tu dizes porque sentes, e eu sei porque sinto os sentimentos que trazes dentro de ti, nesse teu grande coração que trazes escondido dentro de ti só para mim. Que razão, para alem de me amar, poderias ter estares a dois meses comigo a dar-me amor e tudo aquilo que eu mais quero? Pela beleza não foi com certeza, não sou nenhuma Kim Kardashian, nem nada parecido. A segunda opção deve-se a teres dito uma vez que muita gente me conhecia, mas isso nos já sabemos que também não é pelas melhores razoes, portanto, visto que não existe outra razão para estares comigo, eu digo-te com todas as letras que sei que me amas! Mesmo que houvesse outras razoes, eu sinto, eu sinto que me amas, mesmo que as vezes tenha certas carências e pense que me vais deixar no dia seguinte, que não me amas o suficiente, e coisas do género, eu sei que me amas, amo-te a ti e amo, adoro, venero, quando me apareces nos sonhos ou quando te sinto sempre que acordo.
Gosto mais de te ter por perto, admito, não que não goste de sentir a tua presença de outras maneiras mas gosto de te poder apertar ou sentir o calor dos teus braços a agarrarem-me as costas, de sentir a tua mão na minha cara, de te sentir a desviar-me o cabelo, de sentir a dor de quando me mordes ou apenas sentir o calor do teu peito junto ao meu, gosto de sentir o calor dos teus lábios quando encontram os meus... gosto de te sentir, de ver que és real.
As vezes acordo e penso que não o és, penso sempre que sonhei contigo como daquela vez que sonhei e ainda nem falávamos (lembras-te?), porque te acho demasiado surreal, acho demais uma pessoa como tu, estar com uma pessoa como eu. e depois, depois voltas a aparecer mal abro os olhos, e eu sinto-te, sinto o calor do teu corpo enroscado ao meu sempre que acordo, e sinto os teus lábios nos meus e é isso, e muito mais, que me faz dizer que te amo, sempre.

Obrigado pelos dois meses feitos no sabado, obrigado pela paciencia que tens comigo, obrigado por nunca me deixares, obrigado por me fazeres muito feliz, obrigado por seres assim meu amor  

1 comentário: